BLOG

GM aposta em veículos de baixo custo no Brasil

26 jul de 2018, 16:17

General Motors está planejando ter lucratividade de longo prazo na América do Sul, baseada em um programa de cortes de custos realizado durante a recessão brasileira e em veículos de baixo custo desenvolvidos para consumidores na China, que devem chegar às concessionárias em 2019.

“Estamos renovando nossa família de veículos (na América do Sul), ampliando participação de mercado e controlando custos, tudo em preparação para uma família de veículos”, disse o presidente da GM, Dan Ammann, em entrevista recente à Reuters.

A família de veículos vai ser responsável por uma produção esperada de 2 milhões de unidades por ano na América do Sul e China que vai reduzir custos de produção da montadora norte-americana.

“Isso é uma escala sem precedentes”, disse Ammann.

A GM está apostando na América do Sul, onde já é líder de vendas, graças em grande parte aos modelos Chevrolet Onix e Prisma. A montadora espera margens melhores com a elevação das vendas e os novos modelos de custo de produção mais baixo, que incluem SUVs e crossovers que estão ganhando a preferência de consumidores.

O plano da montadora, que não tinha sido divulgado anteriormente pela GM, faz parte da estratégia mais ampla focada na lucratividade em vez de tentar competir em todos os mercados. A GM saiu de operações não lucrativas na Europa e em países como a Índia.

Mas a GM ainda aposta no Brasil, principalmente em um momento em que o mercado interno cresce a um ritmo de dois dígitos, iniciando uma reversão de quatro anos consecutivos de queda nas vendas de veículos. Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul, lembra que durante a crise, os executivos faziam análise sobre cada pedido de compras acima de 10 mil dólares.

A GM cortou sua força de trabalho no Brasil em 35 por cento, convenceu sindicatos a aceitarem contratos de vários anos com reajustes vinculados à inflação e retrabalhou sua cadeia de suprimentos.

“O objetivo era ter certeza de maximizarmos cada ponto de desembolso”, disse Zarlenga em recente entrevista à Reuters.

Ammann afirmou que os cortes de custos reduziram o ponto de equilíbrio financeiro da GM no Brasil em 40 por cento.

Depois de atingir um recorde de vendas de 3,8 milhões de unidades em 2012, os licenciamentos no Brasil, oitavo maior mercado automotivo do mundo, despencaram 46 por cento, para 2,05 milhões em 2016.

A economia começou a se recuperar gradualmente em 2017, e as operações da GM na América do Sul tiveram um lucro de 100 milhões de dólares em 2017, o primeiro desde 2013.

“A América do Sul pode se tornar uma grande colaboradora” para os lucros globais da GM, disse Ammann.

A montadora norte-americana, inclusive, superou a Fiat Chrysler Automobiles no ano passado e se tornou pela primeira vez desde 2004 a maior vendedora de veículos no Brasil, segundo dados da associação de montadoras, Anfavea.

Nesta semana, Zarlenga afirmou durante evento do setor que as vendas da indústria automotiva brasileira chegarão a 2,7 milhões de unidades em 2018, 2,9 milhões em 2019 e 4 milhões até 2027.



Leia Também

Programa Rota 2030 está 99% pronto, dizem fontes do governo
26 jul de 2018, 16:19

O Rota 2030, novo programa de estímulo ao setor automobilístico, está “99% pronto”, informaram na quinta-feira, 03, à noite fontes do governo. A expectativa é que o texto final com...

Continue lendo...
Venda de veículos novos no Brasil sobe 38,5%, diz fonte
26 jul de 2018, 16:18

Os licenciamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no Brasil em abril subiram 38,5 por cento sobre a fraca base de comparação de 2017 e avançaram cerca de...

Continue lendo...